domingo, 27 de janeiro de 2013

Incêndio na boate. 'A gente achou que iriam apagar o fogo e iria continuar a festa', diz sobrevivente de Santa Maria.

Incêndio em boate no RS deixa 232 mortos e 136 feridos
'A gente achou que iriam apagar o fogo e iria continuar a festa', diz sobrevivente de Santa Maria.

'A gente achou que iriam apagar o fogo e iria continuar a festa', diz sobrevivente de Santa Maria. Segundo Taynne Vendruscolo, de 25 anos, tragédia começou quando um músico segurava um artefato que soltava faíscas. 'Começou a pegar fogo no teto. Foi muito rápido que pegou fogo. Ele parou de cantar e no teto acima do cantor estava em chamas'. Ela perdeu um amigo.

Saiba mais em http://bit.ly/Vqf8HR

PORTO ALEGRE - O número de mortos em um incêndio na boate Kiss em Santa Maria, no centro do Rio Grande do Sul, foi corrigido para 232, sendo 120 homens e 112 mulheres, segundo o Batalhão de Operações Especiais. Além disso, 131 pessoas ficaram feridas.

Anteriormente, a Brigada Militar havia informado, em uma entrevista coletiva, o número de 245 mortos. Um caminhão precisou realizar quatro viagens para retirar os corpos do local e levá-los até um ginásio.

Os corpos que foram possíveis de serem identificados por documentação serão apresentados a familiares. O ginásio da cidade está sendo liberado para velório coletivo. Hospitais da região precisaram solicitar auxílio de profissionais para atendimento.


Sites de importantes jornais do mundo, como o espanhol El País e o Los Angeles Times, dos Estados Unidos, destacavam na primeira página de seus sites, na manhã deste domingo, 27, a tragédia na boate de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, que deixou dezenas de pessoas mortos.

O El País publicava uma foto grande de um carro de bombeiros perto do local do incêndio e reportava que o fogo "se originou depois de um espetáculo pirotécnico da banda que atuava no local". A notícia era a principal de todo o site da publicação. Usando a mesma foto, de uma agência internacional, o Los Angeles Times também tratava a notícia como a principal do momento.

Os principais jornais da Argentina, que faz fronteira com o Rio Grande do Sul, deram amplo espaço em suas páginas iniciais na internet para a cobertura do incêndio. O Clarín trazia inclusive um vídeo com imagens de TV feitas durante o trabalho dos bombeiros. Já o La Nación escrevia em sua principal matéria do momento que o incêndio, iniciado por volta das 2h do domingo, foi controlado "mais de três horas depois".

O português Diário de Notícias trazia uma reportagem sobre o incêndio como a segunda principal em seu site, abaixo de uma sobre um acidente rodoviário que deixou 11 mortos naquele país.

Por sua vez, uma das mais importantes revistas da Alemanha, a Der Spiegel, dava amplo destaque ao incêndio na sua página virtual, escrevendo que, além dos mortos, o desastre deixou 200 feridos.

A rede de TV norte-americana CNN também trazia a notícia destacada em seu site. De acordo com a apuração da emissora, "a maioria dos vítimas aparentemente morreu por causa da inalação da fumaça". A britânica BBC dava a tragédia como uma das principais notícias na sua página.

Ausência

O New York Times, dos Estados Unidos, ainda não havia publicado nada sobre o incêndio em sua página principal por volta das 11h30 deste domingo, no horário de Brasília, ou seja, nove horas depois do início da tragédia. O Le Monde, da França, publicou a notícia, mas não a destacou muito em seu site. Os ingleses The Guardian e The Sunday Times também não davam muita prioridade à notícia em seus websites.
(estadao)
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário